Agenda

julho 2015
D S T Q Q S S
« jun    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  

Arquivos

Paróquia Bom Pastor comemora sete confirmações

Confirmação na Paróquia do Bom Pastor

Em sentido horário: Adriano, Girlan, Bispo Peixoto, Lucas, Jorge, Jacelino, Thuane e João. Foto: Gleyka Almeida

Por Oswaldo Júnior

Adriano Portela, Girlan Feitosa Santos, Jacelino Batista da Silva, João Wyclif Daebs Seixas Almeida, José Jorge Martins Machado, Lucas dos Santos Malandra e Thuane Lima Daebs de Souza são os novos membros da Paróquia Anglicana do Bom Pastor, da Diocese Anglicana do Recife (DAR) em Salvador, na Bahia. O rito de confirmação aconteceu durante a missa matinal do domingo 14 de junho, e contou com a presença do Bispo Diocesano João Câncio Peixoto Filho. “Decidi me confirmar por entender que é preciso assumir publicamente que sou membro da igreja”, declarou o Assistente Social Jacelino Silva. Para participar do Sacramento, todos os confirmandos fizeram um curso introdutório sobre a doutrina anglicana.

No término da celebração, o Bispo comentou sobre a recepção dos novos paroquianos. “É uma grande alegria tê-los conosco como pessoas confirmadas e espero que elas continuem firmes, perseverantes no testemunho do evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo, que Deus as abençoe”, disse.

Além de recepcionar os novos irmãos, Dom Peixoto esteve em Salvador (BA) cumprindo uma agenda. Na sexta-feira (12/6) ele participou da eleição para compor a nova diretoria da Coordenadoria Ecumênica de Serviço (CESE). Após a apuração, o resultado indicou que o Reverendo vai ocupar o cargo de Segundo Tesoureiro da entidade. Na tarde de sábado (13), ele visitou a Paróquia de Cristo O Salvador, que fica localizada em Itaparica, município da região metropolitana.

Mensagem do Bispo Primaz pelos 125 anos da Igreja Episcopal Anglicana do Brasil

Grandes coisas fez o Senhor por nós, pelas quais estamos alegres. Salmos 126:3

Grandes feitos começam com atitudes de ousadia. Há 125 anos os missionários Kinsolving e Morris corajosamente iniciaram os trabalhos de construção de uma comunidade episcopal no Brasil enfrentando todas as dificuldades possíveis, em um emblemático período de transição política, mas profundamente motivados pelo amor ao Evangelho e pelo serviço ao mundo.

Logo se seguiram outros homens e mulheres que abraçaram a causa com o mesmo sentimento, espalhando a semente por outros pagos do Rio Grande do Sul, construindo comunidades que foram conquistando as pessoas a se formarem em comunidades missionárias. As sementes brotaram e transpuseram as fronteiras do estado do Rio Grande do Sul e alcançaram outros rincões, estando hoje espalhada por todas as regiões brasileiras. De Belém à Jaguarão e de Recife a Porto Velho temos hoje comunidades pequenas em formação e comunidades centenárias vivendo a fé com o jeito anglicano de crer.

Não somos apenas comunidades que nos reunimos para adorar. A beleza de nossa Liturgia com certeza é uma marca distintiva de nossa Igreja. Mas somos mais que uma comunidade de adoração: somos uma comunidade que serve o nosso povo brasileiro. Em todos estes anos, sempre tivemos uma palavra que falou à sociedade brasileira. E temos agido na direção do bem comum, através da incidência pública, da educação, da assistência às pessoas excluídas, traduzindo em gestos o mandato do Evangelho.

Nos sentimos felizes em sermos reconhecidos como membros da Comunhão Anglicana, como companheiros em diálogo ecumênico com outras famílias cristãs e como parceiros das causas da justiça junto aos movimentos sociais em nosso país e outros parceiros internacionais. Somos respeitados dentro e fora de nosso país. Certamente não somos uma Igreja de grandes contingentes, mas somos uma Igreja de relevantes testemunhas da fé.

Desde nossas gerações primeiras, fomos educados na fé a cumprir a tarefa a nós confiada desde os santos e santas seguidoras de Jesus. Isso não ocorre de forma retilínea, mas em meio a franco e livre debate e convivência de idéias diferentes. Mas depositamos sempre nossos dissensos e nossas diferenças sobre a mesa eucarística para que o Cristo nos capacite a viver na busca do discernimento da vontade divina. Leia mais

Encontro Nacional de Teólogas celebra os 30 anos de Ordenação Feminina no Brasil

De 5 a 7 de junho de 2015, em Porto Alegre, acontece o Encontro Nacional de Teólogas Clérigas e Leigas da Igreja Episcopal Anglicana do Brasil. O Encontro celebra os 30 anos de Ordenação Feminina às Sagradas Ordens do Diaconato, Presbiterato/Sacerdócio, e Episcopado, tornando possível a existência de Diaconisas, Presbíteras/Sacerdotisas e Episcopisas (bispas) em nosso meio.

Unamo-nos em oração pelos ministérios das mulheres teólogas de nossa Igreja!

História: 177 anos do primeiro templo da Igreja Anglicana no Recife

Igreja dos Ingleses

Igreja dos Ingleses

Comemoramos, no domingo 31 de maio, os 177 anos da presença Anglicana no Recife. A Holy Trinity Church, chamada carinhosamente pelo povo recifense da época como “Igrejinha dos Ingleses”, foi erguida em 1838, no local onde hoje se encontra o edifício Duarte Coelho e o Cine São Luiz, na esquina com a Rua da Aurora, olhando para o Rio Capibaribe. Naquela época, a cidade do Recife possuía aproximadamente 200.000 habitantes, e a colônia inglesa já se apresentava de forma bastante expressiva. Antes da construção do templo anglicano da Rua Formosa, hoje Rua da Aurora, os cultos eram celebradas no prédio de nº 47, na Rua do Hospício, sob a capelania do padre G. Tuckins, que foi o primeiro ministro da igreja anglicana em Pernambuco.

Segundo o historiador Pereira da Costa, “a Igreja tinha uma beleza exemplar com seus 12 metros de largura e 17 de extensão e mais um santuário que se abria aos fundos tendo dos lados duas sacristias. O santuário era feito em ladrilho de mosaico com uma bela pintura que ficava ao fundo do altar. No mesmo local, abria-se uma “alterosa” janela de vidraça colorida e formando num todo um belo conjunto ornamental. A sala de oração com seu ladrilho de mármore branco era bastante clara em decorrência da luz que recebia de oito janelas grandes”. Em 1946, pela necessidade de se alargar a rua que daria lugar à nova e arrojada avenida, a Conde da Boa Vista, o templo foi demolido, passando a funcionar na Rua da Matinha (atual Rua Carneiro Vilela), em uma área vizinha ao Country Club. Atualmente, sede da Diocese Anglicana do Recife, da Igreja Episcopal Anglicana do Brasil (IEAB) a Catedral da Santíssima Trindade está localizada na Rua Alfredo Medeiros, 60, no bairro do Espinheiro, Recife. Leia mais

Ordenação Presbiteral da Reverenda Giselle Gomes

Ordenação da Revda. Giselle

Ordenação da Revda. Giselle

No Domingo de Pentecostes, 24 de maio, Dom João Peixoto, bispo da Diocese Anglicana do Recife (DAR-IEAB) presidiu a ordenação presbiteral da Reverenda Giselle Gomes da Silva Prazeres Souza. A celebração, na Catedral Anglicana da Santíssima Trindade, também marcou a comemoração, na DAR, dos 30 anos de ordenação feminina na Igreja Episcopal Anglicana do Brasil. O pregador foi o Reverendo Sérgio Andrade, Deão da Catedral. A cerimônia de ordenação contou com a participação especial de um quarteto de cordas, além do louvor a cargo de Josiel Crispim. Presenças de reverendos e reverendas da diocese, bem como familiares, amigos e paroquianos da Catedral. Ao final, a Revenda Giselle recebeu uma emocionante homenagem dos jovens da Catedral, onde atua pastoralmente, e o culto foi encerrado com uma ciranda, que envolveu não só os jovens, mas também os celebrantes presentes. Leia mais

Novo Livro de Oração Comum da Igreja Episcopal Anglicana do Brasil

cartaz-color_21x30_lançamento-loc_ieab_mai-2015-01-01-01-01

SOUC prossegue no Recife com celebração ecumênica na Paróquia Nossa Senhora do Rosário (ICAR)

Semana de Oração para Unidade Cristã na Paróquia de Nossa Senhora do Rosário, ICAR, em Jaboatão dos Guararapes, PE

Semana de Oração para Unidade Cristã na Paróquia de Nossa Senhora do Rosário, ICAR, em Jaboatão dos Guararapes, PE


A Diocese Anglicana do Recife (DAR-IEAB) presente na programação da Semana de Oração pela Unidade Cristã, promovida pelo CONIC de Pernambuco. Nesta quinta-feira, 21 de maio, às 19 horas, o Reverendo Félix Batista Filho, representando nossa diocese, participou de mais uma Celebração Ecumênica reunindo igrejas cristãs do Recife. Desta vez na Paróquia Nossa Senhora do Rosário, da Arquidiocese de Olinda e Recife, em Prazeres, Jaboatão dos Guararapes, Região Metropolitana do Recife. Com grande participação da comunidade local, sob a liderança do pároco, Padre Fábio dos Santos, o culto ecumênico contou também com as presenças do Frei Tito Medeiros, frade carmelita e coordenador da Comissão Arquidiocesana de Ecumenismo e do e do Pastor Paulo Sérgio, da Igreja Batista dos Bultrins de Olinda. Um momento emocionante de oração, acolhida fraterna e fé. Leia mais

Celebração de abertura da SOUC 2015 na Catedral da Santíssima Trindade

Semana de Oração pela Unidade Cristã 2015

Semana de Oração pela Unidade Cristã 2015

A Catedral Anglicana da Santíssima Trindade, da Diocese Anglicana do Recife (DAR-IEAB) teve a alegria de sediar a celebração de abertura da edição 2015 da Semana de Oração pela Unidade Cristã no Recife, na noite desta segunda-feira, 18 de maio, às 19h30. Organizada pelo Conselho Nacional das Igrejas Cristãs do Brasil – CONIC, a semana tem como tema, neste ano, “Dá-me um pouco de tua água” (Jo 4.7), que fala do encontro de Jesus com a mulher samaritana. Presidida pelo nosso Bispo Diocesano, Dom João Peixoto, a celebração contou com a participação do Frei Tito Medeiros (Igreja Católica Romana), Diácono Carlos Beethoven e Padre Ronaldo (Igreja Ortodoxa Síria), além de reverendos e reverendas da DAR. Presentes, também na catedral, o pastor Paulo Sérgio, da Igreja Batista dos Bultrins e representantes da Fé Bahai. Leia mais

Carta Pastoral da Câmara dos Bispos: Uma Palavra ao Povo de Deus sobre a Conjuntura Nacional

A religião pura e imaculada para com Deus e Pai, é esta: Visitar os órfãos e as viúvas nas suas tribulações, e guardar-se da corrupção do mundo.
Tiago 1:27

Diante dos escândalos e processos amplamente divulgados pela grande mídia envolvendo vários focos de corrupção em diferentes níveis, nos dirigimos ao povo e ao clero da nossa Igreja e a toda sociedade brasileira, constatando nossa preocupante realidade:

a) A corrupção é um mal histórico neste país, inclusive nos períodos de ditaduras cívicos-militares. Entendemos que é animador o enfrentamento a corrupção, quando preserva o sistema democrático, quando promove a reforma política com ampla participação popular, e quando envolve o compromisso com a mudança da cultura política e o fortalecimento da cidadania.

b) A corrupção está presente tanto no âmbito público como privado. Atingindo empresas nacionais e internacionais. É importante que tenhamos claro que o papel da mídia tem sido parcial deixando de ser esclarecedor, uma vez que expressa seus interesses e preferencias e não a real magnitude desde mal.

c) O Congresso nacional foi eleito sob o patrocínio de fortes interesses e poderes econômicos, fortalecendo os setores mais conservador e contrários as conquistas do povo trabalhador e dos direitos humanos. Prova disso, é a resistência à reforma política e o fim do financiamento empresarial das campanhas eleitorais; a tentativa de ampliação do alcance da terceirização, a proposta de revisão do estatuto do desarmamento, e a demarcação das terras indígenas, entre outras agendas de supressão de direitos.

d) Um ponto que tem merecido nossa especial atenção é a tentativa de reduzir a maioridade penal que, de forma nenhuma eliminará as causas nem aliviará o diagnóstico de violência em nosso país, conforme a juventude de nossa Igreja tão claramente manifestou.

e) Por outro lado o governo federal, formado por alianças indefinidas, propõe um reajuste fiscal que penaliza apenas as pessoas trabalhadoras, colocando em risco os programas sociais que aponta para a superação das desigualdades e dificultam o já fragilizado acesso aos direitos fundamentais de saúde, educação, segurança, entre outros. Enquanto isso, os ricos continuam desfrutando da proteção tributária no contexto nacional. Leia mais

Abertura da Semana de Oração pela Unidade Cristã (SOUC 2015) será na Catedral Anglicana da Santíssima Trindade (DAR-IEAB)

Semana de Oração pela Unidade Cristã

Semana de Oração pela Unidade Cristã

A celebração ecumênica de abertura da edição 2015 da Semana de Oração pela Unidade Cristã no Recife, organizada anualmente pelo Conselho Nacional das Igrejas Cristãs do Brasil, será na Catedral Anglicana da Santíssima Trindade, da Diocese Anglicana do Recife (DAR-IEAB), na próxima segunda-feira, dia 18 de maio, às 19h30. O tema deste ano foi inspirado pelo Evangelho de João, “Dá-me um pouco de tua água” (Jo 4.7), que fala do encontro de Jesus com a mulher samaritana, um símbolo de amor que tem o poder de diminuir as barreiras. A Semana de Oração pela Unidade Cristã será comemorada entre 17 e 24 de maio. Confira toda a programação na Região Metropolitana do Recife:

Encontros de Oração Ecumênicos serão realizados nas seguintes Igrejas:

Dia 18: Catedral Anglicana da Santíssima Trindade (Rua Alfredo de Medeiros, 60-Espinheiro) às 19h30
Dia 20: Capela da Universidade Católica de Pernambuco – UNICAP, às 18h.
Dia 21: Paróquia N.ª S.ª do Rosário (Bairro Novo Guararapes Jaboatão dos Guararapes) às 19h30 – (pároco: Pe. Fábio).
Dia 22: Durante o Tríduo ao Divino Espírito Santo na capela da Inocop, paróquia de São Francisco no Rio Doce (Pároco: Pe. Manoel Messias).
Dia 23: Igreja Síria Ortodoxa de Antioquia (na Igreja da Santa Mãe de Deus, em Abreu e Lima) às 19h.

Leia também a carta das Igrejas membros do CONIC sobre a SOUC 2015
O amor de Deus, a paz de Jesus Cristo e a comunhão do Espírito Santo estejam convosco!

Queridos irmãos e irmãs das comunidades cristãs no Brasil,

“Dá-me um pouco de tua água” (Jo 4.7) é o lema bíblico que o movimento ecumênico brasileiro, através do CONIC, propôs ao Conselho Mundial de Igrejas e ao Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos ao ser convidado a preparar o material da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos de 2015.

O pedido por água, feito por Jesus à mulher samaritana, é também o testemunho ecumênico que oferecemos aos irmãos e irmãs das muitas Igrejas que anunciam a boa-nova de Jesus, nos mais diferentes contextos do mundo. A fé em Jesus Cristo precisa expressar-se nessa abertura para encontros e conversas. Não devemos ver no outro um inimigo ou uma ameaça, mas sim, reconhecer nele uma expressão do amor de Deus. Complementamo-nos e crescemos quando nos abrimos para estes encontros. Este é o nosso testemunho ecumênico.

Em contextos de intolerância e perseguições religiosas, colocamos diante das nossas Igrejas o desafio de fazer a experiência do diálogo. Saiamos de nossas casas e até dos nossos templos e vamos ao encontro de nossos irmãos, irmãs, vizinhos e vizinhas. Ouçamos o que eles ou elas têm a contar sobre sua fé, sua vida, suas experiências e dúvidas. Celebremos juntos esta vivência plural do único amor de Deus!

Nas bem-aventuranças deixadas a nós por Jesus Cristo em Mt 5.1-9 encontramos o convite para que atuemos em favor da paz, pois assim seremos chamados e chamadas de filhos e filhas de Deus. A construção da paz passa, necessariamente, pelo diálogo. Peregrinemos nessa direção para que o nosso testemunho público seja de unidade e de acolhida à diversidade. Leia mais