Dom Helder Câmara: profeta brasileiro

No próximo sábado, 7 de fevereiro de 2009, em comemoração ao Centenário de Dom Helder Câmara, o Profeta do Brasil,  haverá um ato público seguido de uma Missa Campal,  em frente à Igreja das Fronteiras, será lançado o Selo Especial em homenagem ao Dom e mais a inauguração de uma escultura em sua homenagem pelo Projeto Circuito dos Poetas realizado pela PMR.

 
Toda programação vai a começar a partir das 15h, do dia 7
 
Rua Henrique Dias, 278, Bairro da Boa Vista
Para mais informações: 55 81 32315341
 
 dom-helder-e-maria.JPG
 
Maria Clara Lucchetti Bingemer*
Arcebispo vermelho, bispo comunista, santo, místico, poeta, profeta  – de tudo isso e muito mais foi chamado Dom Helder Câmara. Amigo de Paulo VI e do cardeal Eugenio Salles, inovador e criativo, ao mesmo tempo em que obediente e dócil  a Igreja Católica da qual era pastor, Dom Helder  é certamente uma figura impar do século que passou. 
Brasileiro ilustre, sem duvida, esse magro cearense que era fiel a Igreja e ao mesmo tempo dialogava com  mundo com toda a tranqüilidade e intimidade. Conhecido no Brasil e no exterior, admirado por uns e odiado por outros, Dom Helder em seu centenário de nascimento, celebrado neste ano, não deixa de instigar nossas consciências e provocar admiração.  Impossível não tomar posição diante de sua pessoa e sua vida.
Quando, em 20 de abril de 1952,  aquele frágil sacerdote nordestino foi nomeado bispo escolheu como lema do seu ministério episcopal “IN MANUS TUAS”. Provavelmente intuía, mas não sabia que era ao mesmo tempo uma profecia e um programa de vida.  As três palavras latinas queriam significar sua entrega confiante nas mãos de Deus, seu único Senhor.
Essa entrega levou-o longe pelos caminhos de um serviço criativo e profético ao povo de Deus, pelo qual pagou seu preço, mas que desempenhou alegre até o fim.
No dia 7 de fevereiro serão cem anos do nascimento de Dom Helder Câmara, cearense de Fortaleza e décimo primeiro filho de família simples, numerosa e bem constituída. Desde pequeno, brincava de padre, armando altares e oficiando missas em casa. Ao comunicar a seu pai, afastado da Igreja, seu desejo de abraçar a vocação sacerdotal, o jovem Helder ouviu palavras que nunca esqueceu: “Meu filho, você sabe o que é ser padre? Padre e egoísmo nunca podem andar juntos. O padre tem que se gastar, se deixar devorar”.
A vida no seminário e os estudos do jovem Helder foram marcados pela firmeza vocacional e o brilho intelectual.  Ordenado aos 22 anos, antes da idade mínima requerida para tal e com licença especial da Santa Sé, Pe. Helder reuniu desde o principio qualidades raras em uma mesma pessoa: inteligência, cultura e liderança incontestáveis ao lado de um imenso amor e dedicação integral aos mais pobres.
Ao mesmo tempo em que organizava reuniões com lavadeiras e operarias e assessorava a Juventude Operaria Brasileira (JOC), escrevia artigos em revistas, planejava a catequese a nível estadual e assumia cargos públicos na secretaria de educação do Ceara.  A habilidade política  foi uma constante em sua vida, assim como a naturalidade que desde sempre teve frente aos meios de comunicação, sendo uma das primeiras personalidades eclesiásticas brasileiras a aparecer constantemente na televisão. Quem é da  minha geração certamente não esquecera sua figura de olhos vivos e penetrantes conclamando o país a solidariedade quando estourou o açude de Orós, causando situação de calamidade para a população nordestina.  Parece ouvir ainda sua voz de característico sotaque nordestino: Orós precisa de nós.
A sagração episcopal multiplicou à enésima potencia a personalidade fulgurante do nordestino magro e franzino, vestido com uma  eterna batina bege.  Sua criatividade e  capacidade de trabalho inventavam e implantavam sem cessar novas coisas  na Igreja do Brasil.  Deve-se a Dom Helder quase todas as iniciativas pioneiras em termos eclesiais que o país conheceu durante o século XX, entre elas a criação da Conferencia Nacional dos Bispos do Brasil, da qual foi fundador e secretário geral.
Ao mesmo tempo, no Rio de Janeiro onde era bispo auxiliar, criava  a Cruzada São Sebastião, conjunto habitacional situado no coração do Leblon, bairro mais chique da cidade.  Também se deve a sua iniciativa o Banco da Providencia, órgão que existe até os dias de hoje e que atende os pobres da diocese do Rio de Janeiro a vários níveis.
No plano internacional, Dom Helder não teve mãos a medir diante dos múltiplos convites que recebia e atendia.  Enchia auditórios e praças em Paris, Sidney, Londres, levando até o abastado primeiro mundo a quase sempre ignorada realidade sofrida e oprimida dos pobres brasileiros. Sua presença fez o país e a Igreja conhecidos e respeitados em outras latitudes.
A partir de 1964 o governo militar criou um rígido sistema de censura nos meios de comunicação brasileiros.  Pretendia assim calar as vozes daqueles que defendiam os direitos humanos e denunciavam a barbárie perpetrada pelas torturas nos porões da ditadura.  Dom Helder foi confinado a um penoso ostracismo. Sobre ele não se falava ou noticiava. Seu acesso à mídia fechou-se. Ele, perplexo com as acusações de comunista que lhe faziam, cunhou uma frase que ficou famosa: Quando ajudo os pobres dizem que sou santo. Quando pergunto sobre as causas da pobreza, me chamam de comunista.
Dom Helder foi reduzido a uma progressiva invisibilidade. Ficou praticamente  restrito à atuação intra-eclesial onde incansavelmente continuou trabalhando. Desde Recife, sua sede episcopal a partir de 1964, foi responsável por um dos mais bem sucedidos focos de resistência ao regime militar.
 
Homem universal, parece não existir um só campo de atividade que Dom Helder não tenha tocado, vivido, atuado.  Recebeu inúmeras homenagens e títulos pelo mundo afora:  de cidadão honorário, de “doutor honoris causa”.  Poeta e místico ardente, desde seu pequeno quarto no Recife levantava-se durante a madrugada para renovar seu lema de bispo: “In manus tuas”.  A entrega incondicional a Deus e a seu povo expressava-se em belos poemas e livros que receberam traduções em vários idiomas. Escreveu sobre a paz, a cidade e o desafio da pastoral urbana, sobre a justiça, sobre a Igreja que nascia das chamadas minoras abraamicas.  Organizou espetáculos no Maracanã sobre os sete pecados capitais, a paixão de Cristo.  Gravou discos onde declamava poemas em honra de Nossa Senhora- Mariama, na Missa dos Quilombos composta por Milton Nascimento e Dom Pedro Casaldaliga.
Nas incursões na calada da noite, olhando o céu do Recife coalhado de estrelas, sua alma se expandia em louvor e adoração.  Ali estava seu segredo.  Ali estava a força da marca indelével que deixou por onde passou. In manus tuas.  Nas mãos de seu Senhor, a alma do bispo descansava e cobrava forcas para um novo amanhecer. Hoje, celebrando cem anos de seu nascimento, o Brasil agradece,com o vido.  E invoca sua proteção para estes tempos tão diferentes e igualmente complexos.
 .
*Teóloga e professora