Semana Santa e Páscoa dos menores da Funase

Páscoa no CASEM
Páscoa no CASEM

Os internos no CASEM1, da FUNASE, menores infratores em situação de risco, vivenciaram as celebrações da Semana Santa – lava pés, instituição da Eucaristia e Páscoa, coordenadas pelo Reverendo Ricardo Santos, da Diocese Anglicana do Recife. As cerimônias foram realizadas em dois dias. No primeiro, os menores participaram da cerimônia de lava pés e instituição da ceia do Senhor, onde foram abordadas questões relacionadas ao sentido da páscoa, paixão, morte e ressurreição de Jesus Cristo. “Nesta primeira celebração, procuramos fazer abordagem da importância da ceia do Senhor, e de servir a Deus, servindo ao próximo”, explica o Reverendo Ricardo. No segundo dia, foi realizado um culto festivo de Páscoa, com momento de louvor e confissão. Ao final, foram entregues caixas de chocolates aos menores do CASEM1, a partir do Projeto Liberdade, Arte e Vidas Transformadas, apoiado pela DAR e patrocinado pelos irmãos da Paróquia do Bom Samaritano, do bairro de Casa Amarela, no Recife. Continue lendo “Semana Santa e Páscoa dos menores da Funase”

Mensagem episcopal de Páscoa

“Quem rolará para nós a pedra da boca do sepulcro?”
(Marcos 16:3)

Páscoa é inicio de novo tempo, é marca da caminhada cristã e é tempo (kairos) de renovação da fé e esperança.

No Domingo da Paixão, momento de gritar Hosana nas alturas! Momento de sentir o caminho do compromisso, já não há tempo para recuar, já não existe oportunidade para desistir, o tempo é de assumir o que Cristo tem nos chamado: quem quiser seguir-me negue-se a si mesmo, tome a sua cruz e me siga (Mateus 16,24).

O exemplo do Cristo define as condições para ser discípulo. Não há preço, negar a si mesmo, é fugir do egoísmo e viver o caminho do Cristo, que é de serviço, de paz, de justiça e de amor. Continue lendo “Mensagem episcopal de Páscoa”

Mensagem de Páscoa

“Verdadeiramente o Senhor ressuscitou. Aleluia!”

Estamos a celebrar a Páscoa. Ainda ressoa em nossos ouvidos o que escutávamos ao iniciar a Quaresma: “Lembra-te, ser humano, que és pó e em pó te hás de tornar”. A expressão “ser humano” é bem apropriada. “Humano” vem de húmus, do barro da terra. “Humildade” é perceber a verdade do próprio ser, aceitar profundamente que não passamos de húmus, um punhadinho de matéria sólida mergulhado em quase tudo água, que nosso estágio final é servir de pasto a plantas e animais, ao tornarmo-nos de novo barro da terra.

Agora, a Páscoa nos chega para tudo subverter. Somos seres de eternidade. “A vida não nos é tirada, mas transformada e, desfeita esta morada terrena, nos é dada nos céus eterna habitação”. Mas onde se situam os céus¿ Facilmente imaginamos que estão no alto, além das nuvens. E assim suspiramos como exilados, ou desejosos de deixar “esta morada terrena” para fugir de toda agrura e dor, ou, o mais das vezes, agarrados a ela como a única garantia que temos de estar vivos porque tudo o mais seria incerteza e, para muita gente, só fantasia. Continue lendo “Mensagem de Páscoa”

Programação da Semana Santa em Natal – RN

01/04 – Domingo de Ramos
19h – Bênção e Procissão dos Ramos com Missa Solene

05/04 – Quinta-Feira Santa 
19h – Missa Solene do Lava Pés e Instituição da Santíssima Eucaristia, Bênção dos Pães e Adoração ao Santíssimo Sacramento do Altar

06/04 – Sexta-Feira Santa
15h – Via Sacra nas ruas, Paixão do Nosso Senhor Jesus Cristo com ofício das sete palavras de Cristo

07/04 – Sábado Santo
19h – Vigília Pascal, “Mãe de todas as Vigílias”

08/04 – Domingo da Páscoa
18h – Missa Solene da Ressurreição do Senhor e Jantar comunitário

Paróquia da Virgem Maria
Contatos: 3213-3033 / 8718-0020
Ministro Encarregado: Rev .Gecionny Pinto, TSSF
Site: www.anatividade.com.br
E-mails: gecionny@yahoo.com.br / gecionnypinto@hotmail.com

Semana Santa na Comunidade Betel

Comunidade Betel do Cabo de Santo Agostinho
Comunidade Betel do Cabo de Santo Agostinho

A Comunidade Betel, localizada no Cabo de Santo Agostinho, Região Metropolitana do Recife, participou ativamente das celebrações da Semana Santa. Os reverendos Ariel Montero e Ilma Rios, responsáveis pelo Ponto Missionário, ajudaram a comunidade, já no Domingo de Ramos, a contemplar o mistério da paixão e morte do Senhor. Continue lendo “Semana Santa na Comunidade Betel”

Mensagem de Páscoa do CONIC

do Conselho Nacional de Igrejas Cristãs – CONIC

Queridos  irmãos e irmãs,

Paz e bem!

É tempo de Páscoa, e nas palavras de Santo Agostinho: «Resurrectio Domini, spes nostra – a ressurreição do Senhor é a nossa esperança – (Sermão 261, 1). Neste tempo de incertezas e conflitos, esta afirmação nos lembra que a Vida vence a morte e que Cristo ressuscitou para nos dar a esperança e nos dar novo alento na fé. Jesus ressuscitou para que também nós possamos ter a vida eterna. Ao ressuscitar, Jesus lança uma nova luz nos recantos escuros da nossa vida e do mundo. Continue lendo “Mensagem de Páscoa do CONIC”

Páscoa para o mundo crucificado

Marcelo Barros, monge beneditino e escritor

Fonte: www.cebi.org.br

Ninguém sabe exatamente a data na qual Jesus foi morto e, conforme o testemunho de seus discípulos, recebeu do Pai a vida nova da ressurreição. As celebrações da Semana Santa de cada ano têm como finalidade recordar o que aconteceu para atualizar as conseqüências salvíficas deste fato para os que hoje celebram a fé, mas também para toda a humanidade e até para o universo.

A Páscoa que começou como uma festa agrícola para festejar o inicio da primavera e celebrar a fecundidade da natureza que renasce depois de um inverno rigoroso, no decorrer do tempo, tornou-se para o povo hebraico a comemoração da passagem (daí vem o termo Páscoa) da escravidão para a libertação. Até hoje, as comunidades judaicas chamam a festa da Páscoa de “a estação de nossa liberdade”. A celebração cristã da Páscoa herdou este caráter subversivo da celebração judaica. A ceia pascal de Jesus propõe uma partilha igualitária dos bens e pede que só se reconheça como Kyrios, Senhor, a Jesus Cristo ressuscitado. Como, no mundo antigo, este título era reservado apenas ao Imperador de Roma, a própria fé pascal tem um conteúdo crítico com relação ao império romano e a todos os impérios do mundo. Continue lendo “Páscoa para o mundo crucificado”

Espiritualidade da Semana Santa

Rev. Rodson Ricardo

“Cristo nossa Páscoa, foi imolado, celebremos a Festa!”
(Antífona da Comunhão Pascal)

Começaremos mais uma Semana Santa. Iniciaremos neste domingo, com a liturgia de Ramos, esses dias tão significativos. Conforme a Tradição Cristã Anglicana as celebrações da oitava da Semana Santa iniciam com a Procissão de Ramos e encerram com a Celebração Eucarística da Páscoa. Em nossas igrejas no mundo inteiro são oferecidas belas e intensas atividades litúrgicas a fim de que os fiéis, que delas participarem, possam vivenciar intensamente estes acontecimentos e possam se preparar espiritualmente para comemorar a Páscoa do Senhor, a maior festa do nosso calendário. Na Ressurreição de Jesus, a Fé Cristã afirma que a vida vence a morte e os acontecimentos da Semana Santa visam à reconciliação das pessoas com Deus, com o próximo e consigo mesmas vivendo e realizando os sinais do Reino de Deus de justiça e paz.

Tal qual o período da Quaresma (que encerra ao entardecer da Quinta-Feira Santa) onde os cristãos tiveram a oportunidade de praticar a oração, o jejum, a penitência e a caridade, nas diversas atividades religiosas da Semana Santa lhes é dada a oportunidade para rememorar e vivenciar os portentosos eventos da paixão, morte e ressurreição de Jesus, o Cristo de Deus. Continue lendo “Espiritualidade da Semana Santa”

Mensagem de Páscoa do Bispo Diocesano

MENSAGEM DE PÁSCOA
Dom Sebastião Armando, Bispo da Diocese Anglicana do Recife, da Igreja Episcopal Anglicana do Brasil

1 – LITURGIA PARTICULARMENTE DRAMÁTICA

Estamos na Oitava da Páscoa. Acabamos de sair da Semana Maior, o momento mais importante do ano da Igreja. Domingo, com ramos e palmas, recordamos a entrada triunfal de Jesus, aclamado pelos peregrinos que subiam à Cidade Santa, e o acolhemos como Messias de Deus. Na Quinta-Feira Santa, com o Lava-Pés e a Santa Ceia, recordamos a Última Ceia de Jesus, a instituição da Santa Eucaristia e o Mandamento do Amor. Na Sexta-Feira nossa atenção esteve voltada para a Paixão de Jesus, o “Dia de Trevas”. No Sábado à noite, a tradição da Igreja nos convidava a viver a solene Vigília Pascal, “a mãe de todas as vigílias”, como dizia Santo Agostinho já no século IV. O costume da Igreja é romper a aurora em oração e voltar a cantar “Aleluia” para proclamar a gloriosa ressurreição de Jesus. Na solene liturgia da Vigília, rememoramos a história da salvação, da criação até hoje, acendemos o fogo novo para iluminar as trevas, a igreja se ilumina e se reveste de branco, o círio pascal se acende como sinal de Cristo, luz do mundo, a água do batismo nos anuncia a nova criação… Finalmente, o Domingo de Páscoa amanheceu, a estrela d’alva no céu a indicar nosso destino de gente ressuscitada com Cristo, na certeza de que a luz vence as trevas. Liturgia é drama para que possamos perceber o drama em que está envolvida nossa vida de cada dia. Continue lendo “Mensagem de Páscoa do Bispo Diocesano”